12 de maio de 2017

Romantização de relacionamentos abusivos

     Olá, tudo bem com vocês? Depois de muito tempo sem postar, hoje resolvi tratar de um tema delicado e necessário, a romantização de relacionamentos abusivos, algo que é muito comum, principalmente através da mídia sensacionalista, que, como vocês vão ver nos exemplos que vou citar logo mais, acaba tratando assuntos de violência contra a mulher e feminicídio como atos desesperados de homens apaixonados por suas parceiras e não como um ato de violência, que é como deveria ser tratado. Isso acaba influenciando as mulheres a concordarem com as abordagens de seus parceiros por acharem que se trata de algo natural, já que é tão naturalizado por todo mundo como um ato de amor..

Romantização de relacionamentos abusivos

3 de maio de 2017

Sentir é quase morrer


Neste momento, eu escrevo para não me afogar, eu escrevo para não me afogar em minhas próprias angústias e medos, eu escrevo porque tenho medo de me encolher tanto que não me sobre dedos, eu escrevo porque não existiria mais agora se não pudesse escrever.
Eu me sinto presa a algum momento ruim, algo que não me larga de jeito nenhum, isso parece respingar nas pessoas que eu amo e isso me destrói por dentro, eu só queria erguer a cabeça, erguer meus braços, erguer todo meu corpo e dizer que tudo esta bem, que é só uma fase, mas eu não consigo, eu estou fraca demais para continuar agora e nada me resta a não ser o barulho que as teclas do meu computador fazem, elas me salvam, elas me fazem respirar de novo, depois de um tempo sem vida, eu resolvi retornar, eu resolvi tentar respirar novamente, eu resolvi abrir meus olhos e cansar meus dedos, eu resolvi escrever.
Sentir é quase morrer

Eu resolvi escrever porque não me há outra razão há não ser o que escrevo aqui, resolvi porque se não adiaria, e adiar poderia ser trágico demais, eu não teria dores tão frescas em minha mente e em meu coração, talvez se deixasse pra lá eu poderia nunca mais lembrar do que estou sentindo neste momento, o momento em que eu e milhares de pessoas se encontram quando se escrevem, arrumam força, arrumam coragem para colocar em palavras sentimentos inexplicáveis, dores imensuráveis, é preciso coragem para tirar tudo de sua cabeça e escrever, é preciso inteligência para organizar a bagunça para que fique algo legível que você possa ler depois, ou alguém que se interesse no trágico e queira ler.
Eu escrevo esse texto sem motivo algum, sem nenhuma razão maior ou porque tenho de escrever, escrevo porque encarei o meu notebook fechado e ele me chamou, me chamou como um amigo e pediu, desabafa, não é crime nenhum não querer escrever, mas escreva, eu estou aqui para isso, não tenho função nenhuma a não ser essa, e eu resolvi responder, esse texto é minha resposta, esse texto é o que talvez eu esteja sentindo, em meio a bagunça, eu me sinto uma, em meio o caos, eu faço parte dele, em meio a felicidade, eu sou a que chega atrasada, em meio atrasada eu sou a que corre desgovernada, eu fujo, venho, corro, tento, luto, amo, sofro, eu sou um ser humano e seres humanos sentem, mas que diabos é sentir? Quase sempre é quase morrer de alegria ou quase morrer de tristeza, é quase morrer, isso é sentir, é quase morrer o tempo todo, quase morrer de rir, quase morrer de chorar, quase morrer de tudo que existe ao seu redor, quase morrer é uma boa definição para sentir, inventei ela agora, pode ser usada por vocês.
Sentir é quase morrer

Esse texto não tem função nenhuma a não ser despejar em cima dessa tela de computador o peso do mundo nas costas, o peso da sociedade nos ombros, e o peso do sentir no coração, o peso, eu escrevo para deixar de ser tão pesada, e não peso de gordura não, eu tenho um peso regular, mas sim o peso do cansaço,  da frustração, o peso de não saber porque esta cansada, mas estar, o peso de não saber o que fazer, mas fazer, o peso de não saber nenhuma razão plausível para estar aqui, para estar, porque sei lá, porque em algum momento pareceu uma boa ideia, porque em algum momento pareceu legal.

Eu já disse isso antes e repito, escrevo porque vivo e vivo porque escrevo, escrevo porque vocês não aguentariam nem um minuto de mim tagalerando sem parar, eu escrevo porque me sinto melhor assim e é isso que escolhi para viver, meu trabalho? Não, isso ainda está em andamento, é diferente, eu escolhi o que quero fazer o resto da minha vida, escrever, não poderia viver em uma vida que as palavras não existissem, seria morte. Pode parecer meio confuso, mas despejei aqui tudo o que minha mente mandou, e minha mente, bom, ela não é muito organizada, espero que sirva de alguma coisa, para alguém, sei lá, é isso ai, beijos e até a próxima confusão.

Olá gente, o post de hoje teve uma pegada meio diferente, como uma forma de desabafo, espero que minhas loucuras sirvam para alguma coisa e acima de tudo, espero que tenham apreciado o texto, não deixem de me seguir no blog e compartilhar esse post se gostarem, ajuda MUITO! Ah, e comenta ai também para eu saber o que você achou, beijos <3

27 de abril de 2017

Mana, eu estou aqui.

Mana...Não tenha medo, não tenha culpa, você não tem defeito, mana, não desista, não insista em quem não te quer, deixa de lado quem só te faz mal, minha mana, me abraça, eu te protejo de todo o mal que te cerca, não precisa ter medo, pode chorar, eu estou aqui, eu vou te amparar, você nunca mais ficará sozinha, mana, você vai superar tudo isso, a justiça será feita e você será muito feliz viu? Mana, só quero que saiba, que de onde você estiver, eu estou aqui, eu estou te esperando para te dar um abraço bem forte e te dizer que tudo vai ficar bem, deita aqui no meu colo que eu te dou carinho, não precisa ter medo, vai passar, já passou, você é tão linda, não se deixe levar pela maré, nade contra a correnteza e não se deixe afogar, nade, nade e continue a nadar, eu estou aqui para ser seu fôlego, eu estou aqui para ser o seu sopro de uma nova vida, eu estou aqui, eu sempre vou estar, te dando força e te apoiando, você nunca mais vai estar sozinha mana, porque eu existo, e você pode olhar pro lado que vai me enxergar, eu estou em qualquer mulher, eu estou em qualquer amiga, eu sou sua irmã, sua companheira, você não precisa mais estar sozinha, porque agora estou aqui, e nunca mais vou te deixar...


18 de abril de 2017

Moça, você não é obrigada a ser feminista.

Oi gente, tudo bem com vocês? Espero que sim, peço novamente desculpas pela demora do post, eu acabo sempre adiando, mas vamos lá, hoje vou falar de algo que confunde bastante as pessoas, principalmente mulheres, a obrigatoriedade em ser feminista.
A obrigatoriedade em ser feminista não existe e nunca existiu, mas que mulheres que são “contra” o feminismo usam de argumento. Nós feministas não queremos obrigar ninguém a ser feminista, muito pelo contrário moça, você não é obrigada a ser feminista, e o feminismo existe justamente para você não ser mais obrigada a fazer ou ser algo que não queira.  Mas para um pouquinho e pense sobre o feminismo, o que você realmente sabe sobre ele?


Moça, você não é obrigada a ser feminista

12 de abril de 2017

Violência contra a mulher: Relacionamentos abusivos

Oiiii gente, tudo bem? Espero que sim, hoje venho aqui  falar sobre um assunto que tem se tornado bastante recorrente e discutido nas redes sociais na mídia, relacionamentos abusivos, e claramente as maiores vítimas são sempre as mulheres, vamos entender hoje um pouco mais sobre isso e o que podemos fazer para alertarmos as vítimas.
Uma coisa que deve ser entendida é que a vítima não percebe o que está acontecendo, geralmente ignora conselhos e acha que todos estão enlouquecendo, sempre defende seu amado sem pestanejar, seja ele namorado, noivo ou marido, acredita que ele a ama e que suas agressões tanto físicas quando psicológicas são excessos e muitas vezes se culpa por elas. Isso também porque o próprio agressor a faz acreditar que a culpa de suas explosões são as atitudes dela, que o irritam e o fazem perder a cabeça, de tanto ouvir isso, a vítima acaba se convencendo a um ponto em que é extremamente difícil e doloroso para ela entender que a pessoa que julga amá-la lhe faz tanto mal.
Violência contra a mulher: Relacionamentos abusivos